sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Prisão

 De uma sugestão do José Antonio Klaes Roig
Vivo aprisionado
entre duas eternidades.
A uma chamam passado
e à outra, futuro.
Duas eternas cidades
nas quais me transfiguro.

Vivo aprisionado
entre duas infinitudes.
A uma chamam cuidado
e à outra, paixão.
Duas longas juventudes
constante fecundação.