domingo, 30 de setembro de 2012

Im- previsões

Davam-se como o vinho e a toalha de mesa (Fabrício Carpinejar)

Ninguém entendeu quando ele entrou à esquerda ao invés da direita. Não era aquela a direção que os levaria de volta para casa.

A irmã perguntou o que é que ele estava fazendo, ele disse que estava indo até ali. Mistério.

A namorada olhou para ele com um misto de curiosidade e cumplicidade. Poderia até não saber das suas intenções mas confiava no que ele fazia.

Ele poderia até ter a intenção de surpreendê-la, mas sabia que era algo que beirava a impossibilidade absoluta.

Além de nunca terem tido segredos entre eles eram tão parecidos que algumas vezes se assustavam com isso.

Pegou outra rua que levava em direção oposta à da casa. A irmã se inquietava a cada nova troca de rota.

Ela e o cunhado tinham sido convidados para um almoço, algo comum desde que o irmão e a namorada moravam juntos.

Ele parou o carro num estacionamento. Pediu para todos descerem.

Caminharam meio quarteirão e entraram no cartório. Só a irmã e o cunhado seriam as testemunhas do casamento.

A namorada olhou para ele e sorriu. Desde que ele pedira cópia dos documentos dela e a assinatura em um papel em branco ela sabia o que ele iria aprontar, só não sabia quando.

Era como comemorar sobre o vinho derramado.

Viveram felizes para sempre com suas previsibilidades surpreendentes.

domingo, 23 de setembro de 2012

Um sonho. Uma traição

Mensagem
Já fazia um certo tempo que eu não traía alguém por aqui. Hoje eu não resisti. Se quiser ouvir uma linda versão declamada, clique aqui

Um sonho


Essa noite eu sonhei que sonhava com você
Da janela, através do jardim, te admirava se desnudando
Um traje de entardecer púrpura tecido em seus cabelos
Aquela rosa estrangulada em cachos de ébano
Movendo-se na luz amarela do seu quarto.
O ar úmido de sons
O ganido distante de um cão ferido
E o chão bebendo de uma torneira mal fechada
Sua casa é tão suave que desaparece sob o atro calor do verão
Uma luz se apaga. A porta se abre
Um gato amarelo corre sob o facho de luz em direção ao quintal.

O aroma amadeirado da cerejeira exala pelo ar
Ouço sua risada espumante
Você leva duas orquídeas lavanda
Uma no cabelo, outra na cintura
Uma cadeia de luzes amarelas chocantes vem com o crepúsculo
Circundando o lago com um halo gotejante
Ouço um banjo tocando tango
E você dança à sombra do negro tulipeiro

Enquanto olho você esvanece
Enquanto olho você está esvanecendo
Enquanto olho você esvaneceu.

Watch her disappear
Tom Waits

Last night I dreamed that I was dreaming of you
And from a window across the lawn I watched you undress
Wearing your sunset of purple tightly woven around your hair
That rose in strangled ebony curls
Moving in a yellow bedroom light
The air is wet with sound
The faraway yelping of a wounded dog
And the ground is drinking a slow faucet leak
Your house is so soft and fading as it soaks the black summer heat
A light goes on and the door opens
And a yellow cat runs out on the stream of hall light and into the yard

A wooden cherry scent is faintly breathing the air
I hear your champagne laugh
You wear two lavender orchids
One in your hair and one on your hip
A string of yellow carnival lights comes on with the dusk
Circling the lake with a slowly dipping halo
And I hear a banjo tango
And you dance into the shadow of a black poplar tree

And I watched you as you disappeared
And I watched you as you disappeared
And I watched you as you disappeared

sábado, 22 de setembro de 2012

As gêmeas

Mensagem
O pai era um fumante inveterado, a mãe tinha uma compulsão paranóica em relação a traças.
 
Apesar disso todos se chocaram quando as gêmeas nasceram e receberam os nomes de Nicotina e Naftalina. Tanto que o escrevente do cartório exigiu uma declaração do pai assumindo a responsabilidade pelos nomes.
 
O padre recusou-se a batizá-las. A mãe foi se queixar com o bispo. De nada adiantou. Só receberam o sacramento porque encontraram uma paróquia dissidente da igreja, cujo sacerdote topava qualquer parada.
 
Os familiares acabaram por chamar as meninas de Tina e Lina, o que não as poupou de todo tipo de gozação quando foram para a escola. Cresceram revoltadas com a situação e nunca perdoaram os pais pelos constrangimentos que passaram.
 
Tina acabou tornando-se uma extremista radical anti-tabagista, mas sempre foi vista de forma suspeita dentro do movimento. Os líderes do grupo reconheciam que era impossível promover a causa tendo como militante a própria Nicotina.
 
Lina formou-se em biologia, especializou-se em lepismatídeos. Sua mãe ameaçou deserdá-la caso trouxesse os seus bichinhos para casa.
 
Tina nunca se casou. Todos os seus pretendentes eram fumantes.
 
Lina namorou durante anos um químico especializado em hidrocarbonetos aromáticos, mas acabou casando com um colega que se dedicava ao estudo de termitas.
 
Quando seus pais morreram resolveram que era a hora de mudar de nome. Entraram na justiça com o pedido.
 
O juiz, um sujeito de muito bom senso reconheceu rapidamente o rídiculo da situação.
 
Só indeferiu a causa porque Nicotina pediu para se chamar Varenicila e Naftlina queria adotar o nome de Thysanura.