quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Contículo galicista


Saltava aos olhos a avalanche de batom que ela usava. Parecia um bibelô, mas se sentia chique com toda aquela maquiagem que ainda incluía um rouge e as unhas marrom criadas por sua manicure-pedicure. Ela estava mais para pierrô do que para madame. Não importava. Naquela tarde iria à matinê com seu namorado, um camelô escroque vendedor de raquetes e agiota de cupons, que conhecera no guichê de uma butique. Para completar a toalete, usava um vestido de popeline e crochê que vira na vitrine da loja.

Depois de assistirem o balé, foram a um restaurante. Ela, querendo evitar gafes, seguiu os pedidos sugeridos pelo garçom. Comeu filé, omelete e um purê maionese. Bebeu uma champagne de buquê duvidoso, um glacê de sobremesa.

Dali foram a uma boate onde sorveu mais duas ou três taças de conhaque. Ela voava como se tivesse tirado um brevê. Seu vôo, no entanto, parecia ter sido vítima de alguma sabotagem, a cabine girava, não achava o guidão, tudo parecia ser uma grande maquete. Devia ser algum tipo de complô daqueles com dossiê e tudo mais.

O caminho de volta na camionete parecia não ter fim, ansiava pela garagem. Delirava com o seu edredon. Como isso lhe acontecera ? Justo ela que pagava seus carnês em dia e nunca fora pivô de tamanho vexame. Até hoje não sabe como foi acordar dentro do bidê.


* Se quiser conhecer outros contículos baseados você ler: Ecóico, Cacofônico, Tautológico

Peixe com vinho tinto


Foto : Vieiras com molho de camarão - vinho Chassagne-Montrachet, tinto da Borgonha


A pergunta mais freqüente que as pessoas fazem a respeito de vinhos é sobre as suas combinações com os pratos que pretendem servir. A clássica mitologia que carnes vermelhas são servidas com vinho tinto e carnes brancas com vinho branco pode ter um fundo de verdade, mas certamente não podem ser usadas como regra geral. Infelizmente isso exclui os vegetarianos de todas as possíveis combinações ou os condena a beber vinho rosé.

O fundo de verdade, pelo menos no Brasil, reside no fato que a nossa culinária tende a carregar nos temperos nas carnes vermelhas e suavizar os mesmos nas carnes brancas, permitindo que, na maioria das vezes, essa combinação dê certo.

Algumas pessoas preferem quebrar totalmente qualquer regra. O enólogo Andrew Jefford é dono de uma frase lapidar, não compartilhada pelos seus pares : "Minha filosofia... é beber o que eu quero e comer o que eu quero e esperar que funcione. Em geral, funciona, razão pela qual considero muitas das regras... uma farsa".

A palavra mágica da combinação de vinhos e pratos é équilíbrio - e essa é a regra fundamental: o sabor da comida não deve esconder ou apagar o sabor do vinho, nem vice-versa. Pratos de sabores fortes exigem vinhos encorpados, temperos suaves exigem vinhos leves. No entanto, nem todo vinho tinto é encorpado, nem todo branco suave.

Carnes vermelhas, vinho tinto? Para os pratos mais gordurosos e carregados nos temperos vale a pena usar aquele fortíssimo Shiraz (que pode ser inclusive o brasileiro Terranova da Miolo) ou investir numa garrafa de um Nuits-St-George. Mas se o prato é uma carne magra ou uma vitela que é muito delicada, procure na sua adega um Beaujolais ou um Pinot Noir). Entre esses dois extremos vale a regra: equilíbrio. As carnes brancas são de combinação mais ampla, podem variar dos tintos médios aos brancos suaves, dependendo de quanto tempero você está usando.

E os peixes ? Em geral os vinhos brancos dão conta do recado para a grande gama de pescados de carne branca, mas você pode experimentar vários tintos suaves e médios com prato a base de salmão e atum fresco. Com bacalhau salgado siga o bom hábito português e tome um vinho tinto do Douro ou do Dão. Com uma paella não deixe de tomar um bom Rioja.

Por outro lado existem aqueles pratos e alimentos que não devem nunca ser combinados com determinados vinhos, alguns com vinho nenhum - você pode estar servindo a mesa dos horrores. Sopa não combina com vinho. O propósito do líquido na refeição é agir como lubrificante e, nesse caso, a sopa dilui o vinho. Algumas pessoas acreditam no poder fortificante de tomar sopas com Xerez ou Madeira. Outro mito, e isso não melhora as coisas.

Peixes defumados, marinados ou em conserva podem destruir qualquer vinho - prefira, nesse caso, acompanhá-los com um vodca bem gelada. Na verdade, qualquer prato em que o vinagre ou o limão se destaquem demais é problemático com vinho. Os queijos são de combinação difícil, mas recomendo evitar os vinhos tintos e equilibrar o sabor do queijo com o teor de acidez do vinho branco. Vinhos mais ácidos para queijos mais fortes. De qualquer forma, a melhor combinação com queijos são os vinhos doces de sobremesa. Evite o champagne, principalmente com os queijos mofados (brie e camembert). Ela tende a provocar uma sensação de cola na língua.

Temperos regionais costumam ser complicadores das combinações, principalmente quando são muito apimentados como os das culinárias baiana, mexicana ou os pratos japoneses a base de wasabi (raiz forte) . Pode-se tentar um branco potente e encorpado, mas talvez seja melhor nesse caso optar por uma cerveja.

Doces, só com vinhos de sobremesa e os fortificados (Xerez, Madeira, Porto), senão o açúcar vai matar o sabor de qualquer vinho com baixo teor de açúcar, deixando apenas uma grande sensação de acidez. Porém de todas as sobremesas, o maior inimigo do vinho, seja como a sobremesa em si, seja como ingrediente de alguma receita, é o chocolate. Ele costuma anular o paladar de qualquer bebida. O melhor é esquecer o vinho quando o chocolate entra em cena.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Sempre preocupadas com os detalhes


Homus peruibanos e Esopo


Meu pai tem uma definição bem antiga do que ele chama do "homus peruibanos".

É um ser de estatura mediana, careca, magro porém com uma barriga proeminente, com mais de 50 anos e, geralmente usando calções no estilo bermudão. É o ser masculino típico das praias da capital da lama negra. Há alguns anos numa das suas incursões pelas artes ele chegou a fazer uma escultura em madeira desse fenótipo (na próxima vez que for à casa dele vou fotografar para vocês verem).

O mais curioso, é que os anos passam (já são mais de 30 anos que eu vou para Peruíbe) e o modelo não muda. Claro que existem também os aspirantes a surfistas malhadões, mas o padrão típico continua o mesmo. Os exemplares mais antigos envelheceram e os que eram jovens foram passando por uma metamorfose até atingir o perfil (literalmente) adequado à geografia.

Eu mesmo incorporei algumas características. Não estou ficando careca (tudo indica que nunca vou ser), sou um pouco mais alto e, definitivamente não sou magro. Por outro lado, a barriga está aqui, os 50 anos estão cada vez mais próximos e sempre gostei de usar bermudões na praia. Isso deve ser decorrência das minhas férias anuais por aquelas plagas, sou afetado parcialmente pela metamorfose.

A descrição do "homus peruibanos" me relembra sempre também uma outra aventura artística do meu pai, para reforçar, estava lendo fábulas de Esopo com meu filho e fui revirar meus alfarrábios em busca do soneto abaixo.



O lobo e o cordeiro
(fábula ecológica)


Careca, barrigudo e decadente,
um lobo dormitava o dia inteiro
eis que a motocicleta de um cordeiro
sucede de passar à sua frente.

"Como te atreves, bicho desordeiro"
uiva o lupino, arreganhando os dentes
"a pertubar um cidadão decente ?"
"De vós tal agressão partiu primeiro"

responde o cordeirinho em voz macia
"pois é tão barulhenta ou mesmo mais
vossa oficina de funilaria..."

Assim, lobos e ovelhas atuais
vão poluindo o mundo, a cada dia.
E nem falemos de outros animais !...


(Benjamin Adiron Ribeiro - 1978)

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Os melhores e os piores


Competição poderia ser algo saudável. Não é. O modelo competitivo da nossa sociedade tem sido tão exagerado que estamos beirando o ridículo da competição. Vai dizer que você não conhece várias pessoas que são tão ansiosas por parecem melhor que as outras que até a desgraça delas precisa ser pior que a sua ?

Você está com gripe. Ela vai dizer que já teve três pneumonias. Uma dupla. Se você teve pneumonia dupla, ela já teve tuberculose. Se a tuberculose é sua, ela tem ébola ou grupe aviária. Pior são aqueles que não conseguem ser melhores ou piores e apelam para a família até a 18a geração. Você quebrou o pé caindo da escada ? A tia-avó da concunhada dela caiu da escada, quebrou 4 costelas, o fêmur e teve uma concussão cerebral.

E o número desse tipo de pessoa anda aumentando exponencialmente. Entre numa rodinha de bate papo numa festa. Enquanto alguém não matar o cunhado de um primo em terceiro grau da ex-esposa ou ex marido o assunto não muda, cada um contando uma história pior que a anterior.

Quando é para ser o melhor também. Se você conta que foi num bom restaurante, o chato vai dizer que já comeu o mesmo prato melhor em Alésage-sur-chatte, uma vila desconhecida dos mortais na Martinica. Se você ganhou mil partidas de paciência em seguida no seu computador, o competitivo vai contar que tem um primo que já ganhou milhares de dólares jogando o mesmo número a noite toda num casino de Dubai.

Quer resolver esse problema. Mande esse seu amigo, ou amiga para Peruíbe. Além de ser a terra da eterna juventude, as caminhadas na praia servem para rebaixar qualquer pessoa. O cara se acha alto, vai passar alguém maior. Se vangloria da sua tatuagem tribal, vai passar uma mulher com um golfinho nas nádegas (não, não sei se tem alguma conotação fálica, não me arriscaria a perguntar). Acha que suas tranças são máximo. Vai passar uma louca com 8 tranças de um metro e meio cada uma. O competitivo morreria de tristeza.

Mas como o berço de Abarebebê tem de tudo o melhor e de tudo o pior, também é um ótimo remédio para amenizar complexos. Você se acha narigudo. Prepare-se para encontrar o Pinóquio depois de uma noitada de mentiras. Acredita que é muito branco, vai encontrar pessoas que tomam banho de cândida. Que se queimou muito ? Olha lá aquela mulher camarão à baiana que está vindo do outro lado.

Por isso deixo minha recomendação. Tem um chato (ou chata) na sua vida ? Manda para Peruíbe. Está se sentindo deprimido por alguma coisa que você não gosta em você ? Passe uma semana em Peruíbe.

Satisfação garantida ou um pastel de camarão na Pastelaria da Praça.

Hai Kais praianos


Sal é teu sabor
Corpo em condimento
Movimento e cor

Céu brilha luar
Música tão distante
Canta o sabiá

Silfo coração
Degusta saboroso
sonhos de verão

Sol da tarde vai
Apagar atrás do morro
Suspiro final

Sul ventania
Chuva de pedra fatal
Só de saudade

Essa é minha terceira inclusão pelo reino dos hai-kais, a primeira, de Agosto explica um pouco da sua estrutura. A segunda aconteceu em Novembro.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Praia imprópria para banhos


A praia é um dos espaços mais democráticos do mundo. Não distingue cor, raça, gênero, religião, nem qualquer uma dessas outras características idiotas que faz com que alguns seres humanos se achem melhores que os outros. Alguns podem usar roupas de banho melhor ou pior que os demais, mas nem os maiôs e as sungas permitem muito espaço de exposição de grifes

Claro que alguns acham que algumas praias sejam mais "seletivas" que outras, por terem acesso mais complexo, o que não impede que os pobres locais as frequentem. Não conheço praia no Brasil cujo acesso seja reservado (ainda que algumas construções tentem fazer isso), nem mesmo as praias de nudismo, desde que você esteja pelado, é claro.

A praia sempre é de todos, como a praça Castro Alves é do povo e o céu já foi do condor e do avião, atualmente não sei a quem a ANAC atribui essa propriedade.

O que não significa que qualquer pessoa deveria frequentar a praia. O local definitivamente é impróprio para pessoas ciumentas. Glúteos, coxas, tórax e seios em exposição permanente. Bronzeados, branquelos, malhados, tatuados, furados. Não que todos sejam agradáveis à vista, muito pelo contrário, a esmagadora maioria não o é, mas estão lá, à sua frente, atrás, dos lados, passeando, fritando, nadando. A presença de todo esse estímulo visual é torturante para a pessoa ciumenta que está acompanhada do seu amado ou amada. Venda de olhos não costuma ser um acessório usual no pedaço.

Mariazinha percebeu isso logo no seu primeiro dia de férias. Não era a primeira vez que ia à praia, mas nunca tinha ido antes com algum namorado. Godofredo não levou mais que alguns segundos para notar a fria em que tinha entrado. Mal colocou o pé na areia levou um tabefe no braço :

"- Está olhando o que ? Nunca viu uma loira na vida ?"

"- Que loira, Mariazinha ? A praia está lotada e você acha que eu estou reparando em alguém ?"

"- Safado ! Se não é a loira, então era aquela morena de olhos verdes com o piercing no umbigo..."

" - Onde ? Onde ?.....Aiiiiiiiiii.... para de bater fofinha."

" - Fofinha é a sua vó ! Só porque encontrou um bando de peruas malhadas. Está me chamando de gorda ?

" - Ai meus sais. Você quer que eu faça o que aqui ? Que ande de olhos fechados ? tem gente de tudo quanto é lado. Eu não estou reclamando que você virou a cabeça para olhar aquele surfista...

" - Não muda de assunto, está até com os olhos brilhando mais..."

" - É o sol, vou colocar os óculos escuros...aiiiiiiiiiii..."

" - Nem pensar ! Acha que vai me enganar ? De óculos eu não vou saber para onde você está olhando...

No dia seguinte, subiram a Imigrantes em silêncio. As férias duraram menos de 24h. O namoro durou mais três dias. E as marcas roxas na pele branco escritório de Godofredo só desapareceram completamente depois de um mês.

domingo, 27 de janeiro de 2008

Piriri Goa Ob Yg




Acho pouco provável que a maioria dos meus leitores alguma vez tenha ido a Peruíbe. Muitos sequer tinham ouvido falar da próspera metrópole da Juréia até recentemente quando um temporal alagou parte da cidade próxima ao rio e apareceu até no Jornal Nacional. Aliás, nada como a rede Globo para mobilizar políticos, no dia seguinte o governador até se dignou a aparecer por lá, provavelmente pela primeira vez na sua vida.

Peruíbe é uma praia no litoral sul do estado de São Paulo, ou seja, do lado não badalado do nosso litoral e depois das bregamente famosas Praia Grande e Mongaguá. Tem pouco mais de 50 mil habitantes e seu único atrativo turístico é a reserva estadual da Juréia. Em tempos remotos foi uma estância balneária e de tratamento de pele com a sua lama negra, rica em areia monazítica. É também grande produtora de banana ouro mas, como todo mundo sabe, isso se vende a preço de banana. Ou seja, não é badalada, não é rica, as ondas só servem para surfistas muito principiantes. As praias são planas de areia dura e frequentada majoritáriamente por velhos e crianças. Entre eles, eu, que passei, como tenho passado habitualmente nos últimos anos, minha férias de janeiro.

Mas não é uma localidade recente, os primeiros documentos de Peruíbe datam de 1538, ligados à Capitania de São Vicente, quando Pero Corrêa declara possuir as terras de Peruíbe, compradas do Mestre Cosme – Bacharel de Cananéia. Em 1553 Pero Corrêa doa as terras à Companhia de Jesus para ali se construir um colégio de meninos órfãos conhecido como “Confraria do menino Jesus”.

Região de constantes conflitos em virtude do comércio de escravos imposto por Pero Corrêa, da hostilidade dos índios por não aceitarem o novo regime trazido pelos portugueses e das dificuldades geográficas, caracterizava-se o local como uma praça de guerra, atualmente a única guerra dos índios é pelo direito de extrair palmitos predatoriamente e vendê-los na feira que ocorre duas vezes por semana. Com a chegada do Padre Leonardo Nunes, o Abarebebê, que em língua Tupi quer dizer: pai ou padre voador por estar em vários lugares ao mesmo tempo, foi iniciada a catequese dos silvícolas, reunindo-se no Tapirama, mais tarde denominada Aldeia de São João Batista de Peruíbe. As ruínas da igreja do Abarebebê ainda estão por lá (se você gosta de ver pedras amontoadas e cercadas de mato, é um must).

Em janeiro de 1554, mesmo mês da fundação de um certo colégio no planalto de Piratininga, chega à Capitania de São Vicente o noviço José de Anchieta (na igreja matriz da cidade existe uma relíquia que supostamente é um fêmur de Anchieta e que sai em cortejo no aniversário da cidade). Neste ano, no mês de julho, falece Padre Leonardo Nunes num naufrágio (pelo jeito não conseguiu voar). Pero Corrêa meses mais tarde foi assassinado em Superagui, ao sul de Cananéia, pelos índios Carijós (não, não se trata da galinha).

A origem do nome Peruíbe, tem gerado muita controvérsia entre historiadores e pesquisadores. O que mais se aproxima do nome Peruíbe, que em linguagem Tupi quer dizer: "Baía das Águas Cristalinas ó nome do cacique Piriri Goa Ob Yg", indígena mais velho e respeitado do litoral.

A aldeia de São João Batista de Peruíbe atravessou séculos com pouca concentração de população e era ponto de pousada e passagem dos viajantes e jesuítas que percorriam o litoral de São Vicente à Iguape.Sempre agregada a Itanháem como freguesia, como bairro ou mesmo como vila, o isolado povoado de pescadores, de índios e mestiços, inicia seu desenvolvimento com a chegada da estrada de ferro em 1914. Outra fonte de progresso na década de 20, foi a implantação na região de fazendas de bananas que trouxeram grande contingente rural.

Nos próximos dias escreverei um pouco das minhas observações locais.

Blue Moon em Bop Doo Wop

Porquê ninguém tinha melhores arranjos harmônicos que os conjuntos de doo-wop. Aumente o som...e aproveite.

sábado, 26 de janeiro de 2008

Antologia de Dezembro


.....está no meu kit junto com o livro de figurinhas.

"Me amarrota que tô passada!!!!!"

então a insanidade possui uma lógica...

No melhor estilo Maquiavel-light....mensagens subliminares masculinas dispostas em saquinhos de açúcar?!...

Não me lembro se paguei a conta na última vez em que estive lá.

Safadoooooooooooooooo...........vou parar de ler as suas colunas gastronômicas!

Prefiro correr pelada do que dormir desconfortável...

um pijama de bolinhas é muito fofo......

...era ruim, teve um final pior...

Alguém vai para um motel para reproduzir?

Isso não existe no português... é licença poética?

... porque sou mulher e mulher é bicho curioso...

cale-se! cale-se!você me deixa louca, cálice!

Bem que ela podia ter acordado para vomitar antes...

...ou processar o cara por propaganda enganosa.

Nem todo o dinheiro do mundo paga o ridiculo.

Não estive aqui... portanto não existiram postagens

Segundo a Física Quântica...

...só estou sentido falta do cheiro de pão quente...

Aforismos sempre inconsequentes


Quem planta ofensas colhe desaforos.

Quem com a frase fere com má sintaxe será ferido.

Nossa línguagem é engraçada, tem vários vícios e nenhuma virtude.

Nós nos transformamos na relação com o outro, se o outro é igual, não há desenvolvimento.

Progresso, dizem, é andar para frente, o que, não necessáriamente é algo positivo.

Quanto mais avançamos para o futuro mais saudades temos do nosso passado.

O desenvolvimento científico pouco tem de científico e quase nada de desenvolvimento.

A vida é uma metáfora da arte.